Feira Agroecológica de Três Pontas: exemplo de produção e sustentabilidade

A Praça do Centenário recebeu ontem, sábado, a 1ª Feira Agroecológica de Três Pontas. O encontro começou às 17h e trouxe consigo a oportunidade de diversos agricultores comercializarem frutas e hortaliças limpas e saudáveis diretamente de quem produz sem agrotóxicos, defensivos ou adubos químicos.

Estas frutas e hortaliças são produzidas pela Associação de Agricultores Agroecológicos do Grupo RAES – Rede de Agroecologia e Economia Solidária (CooperRAES). Os agricultores que fazem parte desta associação passaram por várias capacitações, e se organizaram para iniciar as vendas.

Segundo Osvaldo Júnior, um dos idealizadores, o projeto começou junto com a Agricultura Familiar, com o objetivo de entrar nas áreas de reserva florestal e buscar sustentabilidade nesses lugares com um produto que você pudesse ter na reserva legal e ganhar dinheiro com ele.

Osvaldo Júnior – um dos idealizadores da agricultura sintrópica em Três Pontas

“Quando a gente entrou na área ambiental percebemos os grandes problemas que a natureza estava sofrendo.” – explicou Osvaldo – “Você tem que cuidar da nascente, cuidar da mata, cuidar de todo processo, e a gente viu espécies entrando em extinção. Começamos então a juntar o pessoal e fazer um trabalho em áreas degradadas. Quando conhecemos o processo sintrópico, decidimos que era isso que a gente precisava. A sintropia aborda todos esses itens: a área degradada, a natureza, água, ou seja, um conjunto de ações. E como consequência disso, a gente tem um produto limpo, sem adubação, sem química, sem agrotóxico, sem nada. Juntamos os nossos grupos e começamos a fazer um trabalho em cima de mutirões em pequenas áreas.”

Segundo o dicionário, sintropia é o “elemento que contribui para o equilíbrio organizacional”, essa também é uma definição para a agricultura sintrópica desenvolvida por Götsch. Essa técnica trabalha em harmonia com a natureza, seguindo sua lógica. “A agricultura sintrópica implica produzir alimentos seguindo a lógica natural do sistema com amor incondicional pela vida”, diz Götsch. “Todos os seres que nascem neste planeta têm uma função: os animais, o solo, a água, o vento. Nós, homens, também nascemos como parte do sistema e das funções. Devemos trabalhar agindo em favor dela, e não contra, como tem acontecido ao longo de milhares de anos.”

Para iniciar esse trabalho em Três Pontas, foi preciso trazer um biólogo de Brasília, especialista na questão de sintropia. Ele deu um curso, e a partir deste aprendizado os trespontanos encaminharam os seus trabalhos. “São 10 agricultores encabeçando, mas há apoio de muitos simpatizantes. A gente trabalha no processo de mutirão para implantação, e tem mutirões que chegam a 60 pessoas.” – diz Osvaldo.

Muitos outros cursos também são ofertados, que buscam diversas capacitações do agricultor: restauração de nascentes, restauração de mata, área degradada, cursos pra utilização de produtos, boas práticas na fabricação. Ou seja, tudo aquilo que o agricultor precisa para agregar valor e ter qualidade no seu produto final. A demanda vem do agricultor, que decide com o que quer trabalhar.

A Feira Agroecológica foi uma oportunidade e um espaço para os agricultores mostrarem os seus produtos, e também explicar sobre a forma que é produzido. Isso Osvaldo fez questão de ressaltar: “O nosso trabalho é muito focado na questão da educação ambiental, a gente tem uma preocupação muito grande com isso. A cada quilo de agrotóxico que deixamos de jogar em um produto pra nós é uma vitória. O Brasil é o maior consumidor de agrotóxico do mundo, e saúde alimentar é o nosso objetivo.”

O agricultor também falou ao Canal UltraNativo sobre os próximos passos. “Agora estamos buscando a certificação orgânica, estamos juntos com a orgânicos sul de minas. Já começamos esse processo, e cumprindo todas as metas até Dezembro ou Janeiro de 2018 já conseguiremos o nosso certificado orgânico para trabalho. Essa é a primeira meta: buscar solidificação, depois começar a aumentar trabalhando com mais pessoas com certificado.”

A Feira Agroecológica trouxe também oportunidade para artesãos da cidade, que apresentaram seu trabalho na Praça do Centenário, e contou com a participação musical da cantora Isabela Morais, e um aulão de yoga.

Comentários

Comentários

%d blogueiros gostam disto: